LOGO SITE1.jpg

Nossos invernos

27 Agosto 2018 11:00:00

O inverno, em curso, está sendo rigoroso. Sentimos muito frio. A relva, também, sente. Os efeitos, entretanto, não são totais. As geadas não branquearam os campos e as relvas como esperávamos. Isto parecia normal. Já não é. Na última hora, a neblina tem engolido a geada. Os ventos da madrugada, pulverizaram as possíveis geadas brancas. Em setembro, teremos o dia da árvore. Aí tudo começa passar. O inverno maior manifesta-se no dia a dia das pessoas e na sociedade. São nossas instituições. Inverno tem sabor de parada, estagnação, falas inúteis, ações sem planejamento. Nos legislativos, o exibicionismo flui como óleo quente. Muitíssimas palavras e pouca credibilidade. Aproveita-se o encargo para tentar se eternizar. Estamos fartos das brigas dos poderes legislativos. Isto em todos os níveis. Sem as obras, nada. Elaborar leis para os outros cumprirem, não dói. Há, é visível, um congelamento na credibilidade popular. Há grandes blocos de gelo grudados. São como um bloco de neves. Cada vez torna-se maior. Isto chama-se vaidade, ruindade, interesse individual, uso de poder para prosseguir. O tempo passa e nada de novo. Quando não se faz nada ou faz-se às escondidas, reina a falsidade. Muito cuidado com estes legisladores. Como vamos chegar a um bom deputado estadual, federal, senadores? Lá em Brasília, os projetos aguardam em longas filas. Os deputados e senadores ganham normal seus salários. Eles não estão trabalhando. Estão fazendo campanha política para se eternizarem no poder. O gelo da indiferença e incredulidade cega a todos nós. Difícil encruzilhada esta. Quem pretende um lugar ao sol, define-se pelo partido, pelo candidato. Sempre, contudo, com interesses pessoais. Pretende um lugar no poder. Os candidatos a governadores de nosso estado prometem um bom verão. Será um verão incandescente. Farpas, acusações, guerras pessoais estão nos prognósticos. Esperemos este calor. Será bom, então, procurar uma sombra. Proteger-se. Na presidência, o gelo está na falta de candidatos. São treze. Vamos acreditar nalgum deles? Nós do povo, pelo que se observa, não há interesse. O povo está com as ideias congeladas. Tudo parece sem expectativa de uma primavera à vista. As eleições são a abertura de uma fulgurante primavera. Será que acontecerá nesta oportunidade? Em quem, você leitor e eleitor está acreditando. Existe harmonia nos poderes? Vivenciamos a dúvida, o desespero, a insegurança, a harmonia e o desrespeito. É triste situação! Brasília é uma bola de neve. Florianópolis é um bloco de gelo litorâneo. Nossos municípios aguentam um inverno rigoroso. É o inverno da falta de maturidade, preparo, humildade, paz, dinheiro. Nós, povo, estamos congelados no ínfimo salário, dívidas e inadimplências. Descongelar, quando? O poder carece ser instrumento de ordem, paz, progresso e bem viver da população. São Gelo, rogai por nós! Aleluia!


Padre Genuíno João Begnini


Liberdade1.jpg
i10^cimgpsh_orig.jpg

Avenida Getúlio Vargas, 1400 – Sala 01 – Centro – Abelardo Luz/SC
CEP: 89830-000
Fone: (49) 3445-5773
E-mail: ofalcao@brturbo.com.br